;

A estrela e a Lenda do Pássaro Uirapuru, símbolo da Felicidade

A estrela em crochet e a Lenda do Pássaro Uirapuru

A estrela em crochet e a Lenda do Pássaro Uirapuru

A estrela em crochet e a Lenda do Pássaro Uirapuru

A estrela em crochet e a Lenda do Pássaro Uirapuru


A estrela em crochet pode ser usada em diversas peças, seja como aplique ou até mesmo para adaptar em outras peças, está foi feita em linha e ficou muito delicada.
Coloco a Lenda do Uirapuru, uma lenda Brasileira do símbolo da Felicidade, depois que você ler, faça um pedido que será realizado.


A lenda do Uirapuru é a lenda de um pássaro especial,pois dizem que ele é mágico, quem o encontra pode ter um desejo especial realizado.
O Uirapuru é um símbolo de felididade.
Diz a lenda que um jovem guerreiro apaixonou-se pela esposa do grande cacique.
Por se tratar de um amor proibido não poderia se aproximar dela. Sendo assim, pediu ao deus Tupã que o transformasse em um pássaro.
Tupã transformou o em um pássaro vermelho telha, com um lindo canto.
O cacique foi quem logo observou o canto maravilhoso daquele pássaro.Ficou tão fascinado que passou a perseguir o pássaro para aprisoná-lo e ter seu canto só para ele.
Na ânsia de capturar o pássaro, o cacique se perdeu na floresta.
Todas as noites o Uirapuru canta para a sua amada.Tem esperança que um dia ela descubra o seu canto e saiba que ele é o jovem guerreiro.
Uma foto do Uirapuru abaixo:

A estrela e a Lenda do Pássaro Uirapuru, símbolo da Felicidade

Algumas curiosidades:

O Uirapuru é uma ave muito comum na Amazônia Brasileira. Possui um canto longo, de uma melodia suave. Dizem que ele canta cerca de quinze dias por ano.
Os nativos da floresta relatam que quando o Uirapuru canta, toda a floresta fica em silêncio rendendo-lhe homenagem. 
Heitor Villa-Lobos, ilustre compositor brasileiro, em 1917 compôs uma sinfonia intitulada "Uirapuru", baseado em material do folclore coletado em viagens pelo interior do Brasil

Os Sete Eus Um Conto Místico Sobre a Falta de Rumo na Vida Kahlil Gibran

No momento mais silencioso da noite, estando eu deitado semiadormecido, os meus sete eus sentaram-se e assim conversaram, murmurando:

Primeiro Eu:


Aqui, neste louco, habitei todos estes anos, sem nada para fazer senão renovar a sua dor de dia e recriar a sua mágoa de noite. Não suporto mais o meu destino e agora rebelo-me.

Segundo Eu:

Irmão, o teu destino é melhor do que o meu, pois cabe-me a mim ser o eu feliz deste louco. Rio o seu riso e canto os seus momentos felizes e com pés três vezes alados danço os seus pensamentos mais brilhantes. Sou eu quem se quer revoltar contra a fatigante existência.

Terceiro Eu:

E então eu, o dominado pelo amor, a marca flamejante da paixão selvagem e dos desejos fantásticos? Sou eu, o doente de amor, quem se quer revoltar contra este louco.


Quarto Eu:

De entre todos vós, sou o mais infeliz, porque nada me foi dado senão ódio abominável e aversão destrutiva. Sou eu, o eu semelhante à tempestade, o que nasceu nas cavernas negras do Inferno, quem deveria protestar contra servir este louco.


Quinto Eu:

Não, sou eu, o pensador, o eu pleno de fantasias, o eu da fome e da sede, o que está condenado a deambular sem descanso em demanda de coisas desconhecidas e ainda por criar; sou eu, não vós, quem se deveria revoltar.

Sexto Eu:

E eu, o que trabalha, o obreiro que inspira piedade, que, com mãos pacientes, e olhos sonhadores, molda o dia em imagens e dá aos elementos novas e eternas formas - sou eu, o solitário, quem se deveria revoltar contra este louco irrequieto.


Sétimo Eu:

Que estranho que todos vós vos queirais revoltar contra este homem, tão-só porque cada um tem um destino pré-determinado a realizar.

Ah! Pudesse assemelhar-me a um de vós, um eu com um destino determinado! Mas não tenho nenhum, sou o que nada faz, aquele que se senta no nenhures e no nunca mudos e vazios, enquanto vós estais ocupados a recriar a vida. Sois vós ou eu, vizinhos, quem se deveria revoltar?

Quando o sétimo eu assim falou, os outros seis olharam-no com piedade, mas nada proferiram; e à medida que a noite se tornava mais profunda, um após outro foi dormir envolto numa nova e feliz submissão.

Mas o sétimo eu ficou a observar e a mirar o nada por detrás de todas as coisas.

Cachecol para o inverno - Promoção - IN


Cachecol para o inverno - Promoção - IN


Cachecol para o inverno - Promoção - IN

Cachecol para o inverno - Promoção - IN

Cachecol para o inverno - Promoção - IN

Peças para aquecer no inverno nossos pescocinhos, estão a venda e com desconto, interessados deixem comentário, aproveitem...

- Todos com fio de lã antialérgica

- Em crochet
Visitem minha loja clicando no botão abaixo e vejam mais produtos feitos por mim.
Elo7

Minhas almofadas em crochet - Série Color

Minhas almofadas em crochet  - Série Color

Minhas almofadas em crochet  - Série Color

Minhas almofadas em crochet  - Série Color

Minha série colorida de almofadas em crochet ficou pronta, coloco neste post os links das (Gráficos\free crochet diagrams) abaixo:
Adoro trabalhar com muitas cores,  me deixam feliz e fazem eu ter muitas ideias ...


E ofereço essas imagens coloridas para enfeitarem seus computadores, ou pelo menos para alegrarem o seu dia...

Minhas almofadas em crochet  - Série Color

Minhas almofadas em crochet  - Série Color

Minhas almofadas em crochet  - Série Color

Minhas almofadas em crochet  - Série Color



Square em crochet em tons de Chá com um pé de Laranja Lima


Square em crochet em tons de Chá com um pé de Laranja Lima

Square em crochet em tons de Chá com um pé de Laranja Lima

Square em crochet em tons de Chá com um pé de Laranja Lima

Square em crochet em tons de Chá com um pé de Laranja Lima



Meu Pé de Laranja Lima é um romance juvenil, escrito por José Mauro de Vasconcelos e publicado em 1968.

Foi traduzido para 52 línguas e publicado em 19 países.
Foi adotado em escolas e, posteriormente, adaptado para o cinema, televisão e teatro
Este livro retrata a história de um menino de cinco anos chamado Zezé, que pertencia a uma família muito pobre e muito numerosa. Zezé tinha muitos irmãos, a sua mãe trabalhava numa fábrica, o pai estava desempregado, e como tal passavam por muitas dificuldades, pelo que eram as irmãs mais velhas que tomavam conta dos mais novos; por sua vez, Zezé tomava conta do seu irmãozinho mais novo, Luís.

Zezé era um rapazinho muito interessado pela vida, adorava saber e aprender coisas novas, novas palavras, palavras difíceis que o seu tio Edmundo lhe ensinava. Contudo, passava a vida a fazer traquinagens pela rua, a pregar peças aos outros e muitas vezes acabava por ser castigado e repreendido pelos pais ou pelos irmãos, que passavam a vida a dizer que era um mau menino, sempre a fazer maldades. Todos estes fatores e o fato de não passar muito tempo com a mãe, visto que esta trabalhava muito, faziam com que Zezé, muitas vezes, não encontrasse na família o carinho e a ternura que qualquer criança precisa. Somente de sua irmã Glória, que ele carinhosamente chama de "Godóia".

Ao mudarem de casa, Zezé encontra no seu quintal da sua nova moradia um pequeno pé de laranja lima, inicialmente a ideia de ter uma árvore tão pequena não lhe agrada muito, mas à medida que este vai convivendo com a pequena árvore e ao desabafar com esta, repara que ela fala e que é capaz de conversar consigo, tornando-se assim o seu grande amigo e confidente, aquele que lhe dava todo o carinho que Zezé não recebia em casa da sua família. Zezé teve também um grande amigo o português Manuel Valadares.

Square em crochet em tons de Chá com um pé de Laranja Lima