Mostrando postagens com marcador capa para bolsa térmica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador capa para bolsa térmica. Mostrar todas as postagens

Capa para bolsa de água quente e o Diário de Helga

Capa para bolsa de água quente e o Diário de Helga

Capa para bolsa de água quente e o Diário de Helga

Capa para bolsa de água quente e o Diário de Helga

Capa para bolsa de água quente e o Diário de Helga

Capa para bolsa de água quente e o Diário de Helga

Capa para bolsa de água quente e o Diário de Helga

Já estou preparada para a chegada do Inverno apesar de parecer que este ano esta estação irá começar mais tarde. Espero!!!

Veja mais detalhes ou faça a sua encomenda na minha loja pelo link :
Usei fio de lã em várias cores e agulha 3,5 mm e fiz o famoso quadradinho da vovó ou Granny Square, abaixo disponibilizo o gráfico:

Capa para bolsa de água quente e o Diário de Helga

E a leitura, é um livro que há tempos quero ler - O diário de Helga e coloco a sinopse aqui:

Calcula-se que das 15 mil crianças que passaram pelo campo de internamento de Terezín, na Tchecoslováquia, apenas cem chegaram com vida ao fim da Segunda Guerra Mundial. 
Helga Weiss, uma dessas raras sobreviventes, é autora de um dos mais comoventes testemunhos do Holocausto. Em 1938, por ocasião da ocupação nazista da Tchecoslováquia, a menina de 8 anos, filha de um bancário e uma costureira, começou a escrever em um caderno suas impressões. 
Seus escritos e desenhos registram com o olhar infantil tudo o que aconteceu com sua família, desde a segregação dos judeus ainda em Praga até a desumana rotina de privações e doenças de Terezín, onde um carro fúnebre fazia rotineiramente o transporte de gêneros alimentícios. 
Depois de três anos em Terezín, Helga e sua mãe viveram uma tétrica peregrinação por campos de extermínio como Auschwitz, onde a menina escapou por pouco da câmara de gás. 
Ao final da guerra, Helga, então com 15 anos, acrescentou o relato dessa experiência a seu diário. Em cada palavra e desenho, há uma lembrança de um passado que não pode ser esquecido. Artista plástica respeitada, Helga Weiss, 83 anos, vive em Praga, no mesmo apartamento onde morou com os pais antes da deportação.