Mostrando postagens com marcador dia 7 setembro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dia 7 setembro. Mostrar todas as postagens

Hino da Independência do Brasil

"Não somos Americanos mas podemos ter um pouco mais de nacionalismo verdadeiro."

Evaristo Ferreira da Veiga
Composição: Evaristo Ferreira da Veiga

Já podeis da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil
Já raiou a liberdade,
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil;
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil,
Houve mão mais poderosa,
Zombou deles o Brasil;
Houve mão mais poderosa
Houve mão mais poderosa
Zombou deles o Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil;
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.

Não temais ímpias falanges
Que apresentam face hostil;
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil;
Vossos peitos, vossos braços
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil;
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.

Parabéns, ó brasileiros!
Já, com garbo JUVENIL (?)
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil;
Do universo entre as nações
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil;
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.

Ao dia Sete de Setembro - Castro Alves



Mancebos, que sois a esperança

Do majestoso Brasil;

Mancebos, que inda tão tenros

Sabeis de louro gentil

Adornar o pátrio dia,

Nosso dia senhoril!


Eis que assomou sobre os montes

Além, sobre a antiga serra,

Entre mil nuvens de rosa,

O dia de nossa terra;

Aquele que para a Pátria

Milhões de glórias encerra.


Foi hoje que o Lusitano,

Que o filho de além do mar,

Despertou com forte brado

A Pátria que era a sonhar,

Que nem sequer escutava

A liberdade a expirar.


E o brado: — "Livres ou mortos"

Lá nos bosques retumbou;

E mais contente o Ipiranga

As suas águas rolou;

E o eco d'alta montanha

Todo o Brasil ecoou.


E as montanhas lá do Sul,

E as montanhas lá do Norte,

Repetiram em seus cumes:

Sempre ser livres ou morte...

E lá na luta renhida

Cada qual luta mais forte.


Sim, nos combates que, ousados,

Travaram cem contra mil,

O mancebo que nascera

Sob este azul céu de anil,

Forte como um Bonaparte,

Batia o forte fuzil.


E cada qual no combate

Ao ribombar do canhão

Queria à custa da vida

Dar à Pátria salvação,

Vingar a terra natal

D'aviltante servidão.


Eia, pois, flores da Pátria,

Esp'rançosa mocidade!

Que os Andradas e os Machados

Do alto da Eternidade

Contentes vos abençoam

No dia da Liberdade.

Selo ouro

Selo ouro
circulo selo ouro no blog de croche da tita carre

Parceria

Parceria
parceria da editora minuano com a tita carre

Visite

Visite
melhor do artesanato no blog da tita carre