Mostrando postagens com marcador pontos de crochet. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pontos de crochet. Mostrar todas as postagens

Ponto Xadrez com 3 cores e Simone de Beauvoir

Ponto Xadrez com 3 cores e Simone de Beauvoir

Ponto Xadrez com 3 cores e Simone de Beauvoir



Esse ponto eu usarei para confeccionar uma colcha para sofá bem colorida ou em 6 tons de cores diferentes, ainda não me decidi...tem tempo...

Ponto Xadrez com 3 cores e Simone de Beauvoir

E como ontem foi o Aniversário de Simone de Beauvoir, resolvi postar aqui um pouquinho da sua história.

Simone Lucie-Ernestine-Marie Bertrand de Beauvoir, mais conhecida como Simone de Beauvoir (Paris, 9 de janeiro de 1908 — Paris, 14 de abril de 1986), foi uma escritora, filósofa existencialista e feminista francesa.


Escreveu romances, monografias sobre filosofia, política, sociedade, ensaios, biografias e uma autobiografia.


s suas obras oferecem uma visão sumamente reveladora de sua vida e de seu tempo.

Em seu primeiro romance, A convidada (1943), explorou os dilemas existencialistas da liberdade, da ação e da responsabilidade individual, temas que abordou igualmente em romances posteriores como O sangue dos outros (1944) e Os mandarins (1954), obra pela qual recebeu o Prêmio Goncourt e que é considerada a sua obra-prima.

As teses existencialistas, segundo as quais cada pessoa é responsável por si própria, introduzem-se também em uma série de quatro obras autobiográficas, além de Memórias de uma moça bem-comportada (1958), destacam-se A força das coisas (1963) e Tudo dito e feito (1972).

Entre seus ensaios críticos cabe destacar O segundo sexo (1949), uma profunda análise sobre o papel das mulheres na sociedade; A velhice (1970), sobre o processo de envelhecimento, onde teceu críticas apaixonadas sobre a atitude da sociedade para com os anciãos; e A cerimônia do adeus (1981), onde evocou a figura de seu companheiro de tantos anos, Sartre.

“Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância.” 

“Não se nasce mulher: torna-se.”