Mostrando postagens com marcador textos reflexivos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador textos reflexivos. Mostrar todas as postagens

DESIDERATA

Ande com tranquilidade no meio da agitação da vida. 

Pense na paz que você pode encontrar no silêncio. 

Procure viver em harmonia com todos.


Seja você mesmo, diga a sua verdade clara e mansamente. 

Ouça a verdade dos outros, eles também têm sua história. 


Evite as pessoas agitadas e agressivas.
Elas afligem o nosso espírito. 


Não se compare aos outros, não olhe as pessoas como superiores ou inferiores, 

isso tornaria você amargo e vaidoso. 


Desfrute de tudo aquilo que já conseguiu realizar.
Ame seu trabalho por mais humilde que seja. 
Ele é um bem verdadeiro na frequente mudança dos tempos seja prudente em tudo que fizer. 


O mundo está cheio de armadilhas. 

Não fique cego para o bem que sempre existe. 

Há muita gente lutando por nobres causas.
Em toda parte a vida está cheia de heroísmo. 


Seja você mesmo, sobre tudo não simule afeição e não transforme o amor numa brincadeira. 

No meio de tanta aridez e desencanto ele é perene como a relva.


Aceite com carinho o conselho dos mais velhos e compreenda os impulsos modernos da juventude. 

Fortaleça o espírito e fique preparado para enfrentar as surpresas da vida. 


Não se desespere com perigos imaginários. 

Do cansaço e da solidão surge muitos temores.


Ao lado de uma saudável disciplina seja com você mesmo imensamente bondoso. 

Esteja sempre na paz de Deus. 


No meio dos seus trabalhos e aspirações, na fatigante jornada pela vida, 

conserve no mais profundo da alma, a harmonia e a paz. 


Acima de todo egoísmo e desilusão, o mundo ainda é bonito. 

Ande com cuidado e partilhe com os outros a sua felicidade.
Faça tudo para ser feliz!
(Texto encontrado na Igreja de Saint Paul, Baltimore, U.S.A, 1692)

A batalha mais próxima

Você quer ser um vencedor
Concorra consigo mesmo,
Não com outras pessoas.

Vencer seu parceiro de xadrez não significa necessariamente que tenha sido o seu melhor jogo.
Passar na frente de seu rival não significa que tenha sido a sua melhor corrida.

Você pode vencer outra pessoa e, mesmo assim, não usar todo o seu potencial.
Tudo na vida é assim .

Para ser o melhor, você precisa competir consigo mesmo.
Essa é a maior competição da vida.

Um perdedor é vencedor - não importa quantas derrotas ele teve - se vencer a si próprio.
Um vencedor é perdedor - não importa quantas vitórias ele teve - se perder a batalha travada consigo mesmo.

Alexandre, o Grande, conquistou o mundo e deplorou sua falta de autocontrole.
A vitória sobre os outros pode ser o verdadeiro motivo que contribui para que o vencedor perca a luta contra si mesmo.

A vitória o deixa orgulhoso, arrogante, auto suficiente, descuidado - e, às
vezes, cruel, achando que ele é o melhor...

Em outras palavras, não é o que acontece com você que faz a diferença.
Mas a maneira como você lida com isso.

CONSTRUA COM SABEDORIA

Um velho carpinteiro estava pronto para se aposentar.
Ele informou ao chefe seu desejo de sair da indústria de construção e passar mais tempo com sua família.
Ele ainda disse que sentiria falta do salário, mas realmente queria se aposentar.

A empresa não seria muito afetada pela saída do carpinteiro, mas o chefe estava triste em ver um bom funcionário partindo e ele pediu ao carpinteiro para trabalhar em mais um projeto como um favor.

O carpinteiro concordou, mas era fácil ver que ele não estava entusiasmado com a idéia.
Ele prosseguiu fazendo um trabalho de segunda qualidade e usando materiais inadequados.

Foi uma maneira negativa dele terminar sua carreira.
Quando o carpinteiro acabou, o chefe veio fazer a inspeção da casa.
E depois ele deu a chave da casa para o carpinteiro e disse:
"Essa é sua casa. Ela é o meu presente para você".

O carpinteiro ficou muito surpreso. Que pena!
Se ele soubesse que ele estava construindo sua própria casa, ele teria feito tudo diferente.

O mesmo acontece conosco.
Nós construímos nossa vida, um dia de cada vez e muitas vezes fazendo
menos que o melhor possível na construção.
Depois com surpresa nós descobrimos que nós precisamos viver na casa que nós construímos.

Se nós pudéssemos fazer tudo de novo, faríamos tudo diferente.
Mas não podemos voltar atrás.

Você é o carpinteiro.
Todo dia você martela pregos, ajusta tábuas e constrói paredes.
Alguém disse que "A vida é um projeto que você mesmo constrói".
Suas atitudes e escolhas de hoje estão construindo a "casa" que você vai morar amanhã.

CONSELHOS SÁBIOS...

1. Mesmo que você não siga nenhuma religião, entre em uma igreja ou num templo vazio, sente-se e descanse, curtindo a paz e o silêncio. Você vai se sentir muito bem!

2. Escolha um guru e acredite nele. 

3. Participe de um trabalho voluntário. Ajudar a quem precisa dá sentido maior à vida. 

4. Aprenda a rir de você mesmo. 

5. Curta aquilo que você tem e não fique comparando posses. 

6. Não repasse notícias ruins. Uma situação vira tragédia quando passada de boca em boca. Se ouvir informação triste, guarde para si. 

7. Compartilhe suas incertezas. Ao escutar o que os outros têm a dizer, as dúvidas se aclaram. Divida com quem você confia, seus medos, lave sua alma. Pote para fora...

8. Preste atenção na intuição. Ser intuitivo é deixar o coração dar um pulinho no futuro e voltar rapidinho. 

9. Não permita que sua vida gire em torno de um único tema. Investir energia em uma só coisa é correr risco de deixar de ter prazer em outras.

10. Seja seu maior fã. Você é incrível e único! 

11. Diga mais "eu te amo". Mostre entrega, carinho e disposição para aceitar o outro do jeito que é. Não espere uma ocasião especial. 12. Tenha jogo de cintura. É mais fácil aceitar as mudanças quando entendemos que não é possível controlar tudo nem todos. 

13. Arranje um passatempo. Você nunca conseguirá estar à frente no seu trabalho se tudo o que você é se resume ao seu trabalho. 14. Saiba receber um elogio. A admiração pode ser sincera e fazer bem ao ego. 

15. Agradeça. Você pode levantar as mãos para o céu, dobrar os joelhos, acender uma vela, dar três pulinhos, beijar uma imagem... Não importa o ritual. Vale a sensação de que o universo está lhe dando o que pode dar - e que você é uma pessoa abençoada por isso. 16. Ouça uma canção alegre e cante junto. 

17. Desligue a televisão e converse com os amigos, o marido ou a esposa, o namorado ou a namorada, o cachorro, o papagaio...

Que neste Natal...



"Sonhe, busque, espere... ame e seja amado! Deixe sua alma voar alto... pegar carona com os fogos coloridos. Mentalize seus desejos mais íntimos e acredite: eles também chegarão ao céu. Irão se misturar às estrelas, irão penetrar no Universo e voltarão cheios de energia para tornarem-se reais. Basta você querer de verdade, ter fé e nunca, NUNCA desistir deles! Boas Festas e que seu ano seja pleno de bênçãos e realizações."

"Que neste Natal você O encontre não só na alegria que sente ao sair das lojas com presentes para as pessoas que você ama, mas também na feição triste da criança abandonada nas ruas, na qual muitas vezes você esbarra apressadamente. Que você encontre o que busca no momento em que pegar nas mãozinhas delicadas de seu filho ou de uma criança."

O NATAL E A FAMÍLIA

Esta época é diferente mesmo, não lhe parece?

Um misto de melancolia e paz toma de assalto a humanidade...

Fazemos coisas, praticamos atos, temos pensamentos tão distintos daqueles que nos são corriqueiros...

Parecemos, mesmo, outras pessoas...

Olhamos nossos irmãos com afeto, vemo-los, realmente, como seres humanos, como companheiros de jornada.

Abrandamos nosso coração, repensamos nossos atos, agimos com mais serenidade e moderação.

O amor, esta pérola divina, nos acalenta, por um fugaz instante, o coração. 

A humanidade parece despertar para seu destino superior.

Virado o ano, vira-se, também, a página.

Voltamos todos a mesma postura de frieza e indiferença.

Revestem-se os homens, novamente, da carapaça da hipocrisia, da falta de afeto, do ódio, do orgulho e da vaidade. 

POR QUÊ?

Porque nosso estágio evolutivo não nos permite vislumbrar a ventura de sermos bons, todo o tempo.

Não temos, ainda, a capacidade de compreender que, ao praticar um ato de caridade desinteressada, estamos beneficiando muito mais a nós mesmos, do que ao nosso próximo.

Não conseguimos alcançar, na plenitude, o significado da palavra amor.

Porém, o espírito natalino, que nos arrebata nesta época, fornece-nos dele uma pequena amostra.

A nós, cabe beber desse cálice até a última gota. Sorver, com sofreguidão, as maravilhosas vibrações que nos chegam de todos os lados.

E que esta bebida divina sirva-nos de combustível para o novo ano.

Que ela permita que nos renovemos, que repensemos, seriamente, nossa existência.

No instante em que assim o fizermos, estaremos, cada um de nós, acendendo uma pequenina chama nessa escuridão imensa, em meio a qual caminha a humanidade.

De clarão em clarão, de fagulha em fagulha, veremos surgir, então, no seio da raça humana, uma luz intensa, colossal, magnífica, divina.

Nesse instante, o coração dos homens estará abarrotado de amor.

Que assim seja!

FELIZ NATAL!

Ricardo Montedo

O Pinheiro de Natal

Conta a história que na noite de Natal, junto ao presépio, se encontravam três árvores: Uma tamareira, uma oliveira e um pinheiro. 
As três árvores ao verem Jesus nascer, quiseram oferecer-lhe um presente. 
A oliveira foi a primeira a oferecer, dando ao menino Jesus as suas azeitonas. 
A tamareira, logo a seguir, ofereceu-lhe as suas doces tâmaras. 
Mas o pinheiro como não tinha nada para oferecer, ficou muito infeliz.
As estrelas do céu, vendo a tristeza do pinheiro, que nada tinha para dar ao menino Jesus, decidiram descer e pousar sobre os seus galhos, iluminando e adornando o pinheiro que assim se ofereceu ao menino Jesus.

A MANJEDOURA



As comemorações do Natal conduzem-nos o entendimento à eterna lição de humildade de Jesus, no momento preciso em que a sua mensagem de amor felicitou o coração das criaturas, fazendo-nos sentir, ainda, o sabor de atualidade dos seus divinos ensinamentos.
A Manjedoura foi o Caminho.
A exemplificação era a Verdade.
O Calvário constituía a Vida.
Sem o Caminho, o homem terrestre não atingirá os tesouros da Verdade e da Vida.
É por isso que, emaranhados no cipoal da ambição menos digna, os povos modernos, perdendo o roteiro da simplicidade cristã, desgarra-se da estrada que os conduziria à evolução definitiva, com o Evangelho do Senhor. Sem ele, que constitui o assunto de todas as ciências espirituais, perderam-se as criaturas humanas, nos desfiladeiros escabrosos da impiedade.
Debalde, invoca-se o prestígio das religiões numerosas, que se afastaram da Religião Única, que é a Verdade ou a Exemplificação com o Cristo.
Com as doutrinas da Índia, mesmo no seio de suas filosofias mais avançadas, vemos os párias miseráveis morrendo de fome, à porta suntuosa dos pagodes de ouro das castas privilegiadas.
Com o budismo e com o xintoísmo, temos o Japão e a China mergulhados num oceano de metralha e de sangue.
Com o Alcorão e com o judaísmo, temos as nefandas disputas da Palestina.
Com o catolicismo, que mais de perto deveria representar o pensamento evangélico, na civilização ocidental, vemos basílicas suntuosas e frias, onde já se extinguiram quase todas as luzes da fé. Aí dentro, com os requintes da ciência sem consciência e do raciocínio sem coração, assistimos as guerras absurdas da conquista pela força, identificamos o veneno das doutrinas extremistas e perversoras, verificamos a onda pesada de sangue fratricida, nas revoluções injustificáveis, e anotamos a revivescência das perseguições inquisitórias da Idade Média, com as mais sombrias perspectivas de destruição.
Um sopro de morte atira ao mundo atual supremo cartel de desafio.
Não obstante o progresso material sente a alma humana que sinistros vaticínios lhe pesam sobre a fronte. É que a tempestade de amargura na dolorosa transição do momento significa que o homem se mantém muito distante da Verdade e da Vida.
As lembranças do Natal, porém, na sua simplicidade, indicam à Terra o caminho da Manjedoura... Sem ele, os povos do mundo não alcançarão as fontes regeneradoras da fraternidade e da paz. Sem ele, tudo serão perturbação e sofrimento nas almas, presas no turbilhão das trevas angustiosas, porque essa estrada providencial para os corações humanos é ainda o Caminho esquecido da Humildade.

EMMANUEL
(Do livro ANTOLOGIA MEDIÚNICA DO NATAL, Francisco Cândido Xavier - Espíritos Diversos)

Arrumar a casa para o Natal

Estava observando como nessa época do ano as pessoas se preocupam em arrumar suas casas. Por onde passo vejo casas serem restauradas, pintadas,as lojas de eletrodomésticos, então, estão cheias, as pessoas aproveitam para trocar os móveis… Todos querem arrumar suas casas.

As pessoas estão em uma euforia enorme. Muitas correm contra o tempo. Tudo tem que ser novo.

E a nossa casa interior? o nosso espírito? o nosso coração? como está?

Será que estamos nos preocupando em arrumar o nosso íntimo?
Penso que mais do que arrumar a nossa casa para receber parentes e amigos devemos arrumar o nosso coração para receber Jesus. Permitir que Ele entre em nossa intimidade e seja o personagem principal em nosso Natal, afinal Ele o é.
Vamos fazer uma faxina em nossa vida, rever nossos atos e atitudes, jogar fora tudo aquilo que nos afasta do verdadeiro sentido do Natal, pintar nosso coração com as cores da felicidade e da esperança, trocar o que temos de velho por uma fé renovada n’Aquele que que se fez presente para nós.

FILOSOFIA DE COMPREENSÃO



No transcurso de um dia, não faltam motivos para revides, agressões, quedas morais.

Uma pessoa desatenta choca-se contigo e não se desculpa.

Outra, irreverente, diz-te um doesto e segue, sorrindo.

Mais alguém, em desequilíbrio, não oculta a animosidade que lhe inspiras.

Outrem mais, de quem sabes que te censura, e, mentindo contra ti, acusa-te, levianamente...

Tens vontade de reagir.

"Também sou humano" — costumas pensar.

Somente que reações semelhantes àquelas não resolvem o problema.

Deves nivelar-te às pessoas, pelas suas conquistas e títulos de enobrecimento, numa linha superior, e não pela sua mesquinhez.

Ninguém passa, na Terra, sem provar a taça da incompreensão.

Cada qual julga os outros pelos próprios critérios, mediante a sua forma de ser, como é natural.

O que se não possui, é desconhecido; portanto, difícil de identificado noutrem.

Não é necessário que se te despersonalizes evitando apresentar-te conforme és.

Faz-se mister que te superes vencendo a parte negativa do teu caráter, aquela que censuras nos outros.

Lapidando as tuas arestas, tornar-te-ás melhor e mais feliz.

Aqueles que são exigentes, que gostam de aclarar tudo, resolver as situações que lhes surgem, padecem de distúrbios emocionais, sofrem ulcerações gástricas e duodenais, vivem indispostos.

Será que esses perturbadores e insolentes do caminho merecem que te desarmonizes?

Segue em paz, durante todo o teu dia, e arrima-te na filosofia da compreensão e da solidariedade, ajudando-os, sem reagires contra eles.

Isto será melhor para ti e para todos.

NECESSÁRIO E DISPENSÁVEL



O consumismo atual responde por muitos problemas.

As indústrias do supérfluo apresentam no mercado da vacuidade um sem-número de produtos desnecessários, que aturdem os indivíduos.

Estimulados pela propaganda bem elaborada, desejam comprar, mesmo sem poder, o que vêem, o que lhes é apresentado, numa volúpia crescente.

Objetos e máquinas que são o último modelo, em pouco tempo passam para o penúltimo lugar, até ficarem esquecidos em armários ou depósitos de coisas sem valor.

No entanto, se não fossem adquiridos, naquela ocasião, a vida perderia o sentido para quem os não comprasse.

Consumismo é fantasia, transferência do necessário para o secundário.

O consumidor que não reflete antes de adquirir, termina consumido pelas dívidas que o atormentam.

Muita gente faz compras, por mecanismos de evasão.

Insatisfeitas consigo mesmas, fogem adquirindo coisas mortas, e mais se perturbando.

Enquanto grande número de indivíduos se afogam no oceano do supérfluo, multidões inteiras não possuem o indispensável para uma vida digna.

Abarrotados, uns, com coisas nenhumas, e outros vitimados por terrível escassez.

São os paradoxos do século e do comportamento materialista-utilitarista da atualidade.

Confere a necessidade legítima, antes de te permitires o consumismo.

Coisas de fora não equacionam estados íntimos. Distraem a tensão por um momento, sem que operem real modificação interior.

Quando o excesso te visite, reparte-o com a escassez ao teu lado.

Controla e dirige a tua vontade, a fim de não seres uma vítima a mais do tormento consumista.


Pelo Espírito: JOANNA DE ÂNGELIS
Psicografia: Divaldo Pereira Franco.

Bilhete de Natal

Meu amigo, não te esqueças,
Pelo Natal de Jesus,
De cultivar na lembrança
A paz, a verdade e a luz. 
Não olvides a oração
Cheia de fé e de amor,
Por quem passa, sobre a Terra,
Encarcerado na dor.
Vai buscar o pobrezinho
E o triste que nada tem...
O infeliz que passa ao longe
Sem o afeto de ninguém.
Consola as mães sofredoras
E alegra o órfão que vai
Pelas estradas do mundo
Sem os carinhos de um pai.
Mas escuta: Não te esqueças,
Na doce revelação,
Que Jesus deve nascer
No altar do teu coração.
Pelo Espírito Casimiro Cunha
XAVIER, Francisco Cândido. Antologia Mediúnica do Natal. Espíritos Diversos. 

Se você quiser fazer um trabalho fácil parecer um fardo pesado demais

Quando seu chefe lhe pediu que fizesse um projeto extra, 

Beth viu a possibilidade de provar que podia arcar com maiores responsabilidades.


Começou imediatamente a pensar na maneira de iniciar a tarefa e ficou cada vez mais 

entusiasmada.
Porém, quando chegou a hora de dar início ao projeto, Beth disse a seu chefe que estava
atarefada demais para realizar um trabalho bem feito.



Então o projeto foi passado para outra pessoa, que recebeu uma promoção por tê-lo
completado com sucesso.
Beth não teve outras oportunidades e, tempos depois passou a trabalhar em outras empresa.


O que impediu Beth de levar adiante o projeto?
Simples adiamento.
Ela adiou o início da tarefa até ser tomada pelo medo - medo de não ser capaz 

ou de não atender às expectativas de seu chefe.


Beth não aproveitou a oportunidade e, em razão disso, seus temores se intensificaram,
dando-lhe uma enorme sensação de insegurança a respeito de sua capacidade.


Se você perceber que está adiando algo, peça a Deus que lhe mostre como superar o medo,
e depois faça o que Ele diz.


Deus quer que você seja bem sucedida e tenha uma vida plena, mas é preciso agir com fé
para que Ele o abençoe!

A Arte de Ouvir



Onde quer que te encontres, de uma ou de outra forma, despertarás o interesse de alguém.

Algumas pessoas poderão arrolar-te como antipático e até buscarão hostilizar-te.

Outras se interessarão por saber quem és e o que fazes.

Inúmeras, no entanto, te falarão, intentando um relacionamento fraterno.




Cada qual sintonizará contigo dentro do campo emocional em que estagia.

Como há carência de amigos e abundância de problemas, as criaturas andam a cata de quem as ouça, ansiando por encontrar compreensão.

Em razão disso, todos falam, às vezes simultaneamente.




Concede, a quem chega, a honra de o ouvir.

Não te apresses em cumulá-lo de informações, talvez desinteressantes para ele.

Silencia e ouve.

Não aparentes saber tudo, estar por dentro de todos os acontecimentos.

Nada mais desagradável e descortês do que a pessoa que toma a palavra de outrem e conclui-lhe a narração, nem sempre corretamente.




Sê gentil, facultando que o ansioso sintonize com a tua cordialidade e descarregue a tensão, o sofrimento...

No momento próprio, fala, com naturalidade, sem a falsa postura de intocável ou sem problema.

A arte de ouvir é, também, a ciência de ajudar.

Psicografia Divaldo Pereira Franco

Você e os Outros



Abra a própria alma às manifestações generosas para com todos os seres, sem trancar-se na torre de falsas situações, à frente do mundo. 


*

A pretexto de viver com dignidade, não caminhe indiferente ao passo dos outros. 


*

Busque relacionar-se com as pessoas de todos os níveis sociais, erguendo amigos além das fronteiras do lar, da fé religiosa e da profissão. 


*

Evite a circunspecção constante e a tristeza sistemática que geram a frieza e sufocam a simpatia. 


*

Não menospreze a pessoa mal vestida nem a pessoa bem posta. 


*

Não crie exceções na gentileza, para com o companheiro menos experiente ou menos educado, nem humilhe aquele que atenta contra a gramática. 


*

Não deixe meses, sem visitar e falar aos irmãos menos favorecidos, como quem lhe ignora os sofrimentos. 


*

Não condiciones as relações com os outros ao paletó e à gravata, às unhas esmaltadas ou aos sapatos brilhantes, que possam mostrar. 


*

Não se escravize a títulos convencionais nem amplie as exigências da sua posição em sociedade. 


*

Dê atenção a quem lha peça, sem criar empecilhos. 


*

Trave conhecimento com os vizinhos, sem solenidade e sem propósito de superioridade. 


*

Faça amizades desinteressadamente. 


*

Aceite o favor espontâneo e preste serviço, também sem pensar em remuneração. 


*

Ninguém pode fugir à convivência da Humanidade. 


*

Saiba viver com todos, para que o orgulho não lhe solape o equilíbrio. 


*

Quem se encastela na própria personalidade é assim como o poço de água parada, que envenena a si mesmo. 


*

Seja comunicativo. 


*

Sorria à criança. 


*

Cumprimente o velhinho. 


*

Converse com o doente. 


*

Liberte o próprio coração, destruindo as barreiras de conhecimento e fé, título e tradição, vestimenta e classe social, existentes entre você e as criaturas e a felicidade, que você fizer para os outros, será luz da felicidade sempre maior, brilhando em seu caminho.

A Terapia do trabalho

Quando éramos garotos, meus irmãos e eu gostávamos muito de futebol.
Passávamos o dia todo fora de casa.
Podíamos inclusive jogar a noite inteira, se não fosse por causa da fome.
O que nos trazia de volta para casa era a necessidade de alimento.


Um dia, propositadamente, a mãe não preparou o almoço.
Como sempre, chegamos em casa e entramos direto na cozinha.
Mas não havia nada.
O fogo do fogão estava apagado e as panelas vazias.
Nossa mãe parecia nem perceber que a gente estava ali procurando comida.


Meu irmão mais velho perguntou:
" Não tem nada para comer?"
A resposta foi monossilábica:
"Não" "Então?" perguntamos em coro.
A resposta da mãe foi: "Então, vamos todos trabalhar juntos e preparar o almoço."


Nunca esqueci a lição.
Hoje, ao escrever a meditação, a cena veio à minha mente como se tudo tivesse ocorrido ontem.
Sabe, o trabalho sempre foi parte do plano divino para a formação e o crescimento do homem.


Antes da entrada do pecado era uma bênção.
Depois do pecado, continuou sendo uma bênção.
Mas foram incluídos alguns elementos estranhos, como dor, cansaço e fadiga.


Também apareceu na natureza humana algo pernicioso,chamado preguiça ou negligência.
Por isso, Deus usa a fome como elemento motivador para levar o homem ao trabalho.


Hoje, como todos os dias, voce precisa ir trabalhar.
Não encare o seu labor como um fardo pesado, mas como um privilégio.
Faça com dedicação o que tiver que ser feito, por insignificante que pareça.


Se alguém achar um trabalho pequeno, indigno de ser realizado, essa pessoa não é
confiável para receber grandes responsabilidades.
Como hoje.
O único trabalho que não é realizado é aquele que não é começado.


Portanto, busque oportunidades.
Não as espere sentado na praça da contemplação.


Porém, para que tudo isso seja uma realidade em sua experiência, voce precisa estar bem com Deus.
Ele tira o temor e a timidez do coração e coloca garra, força e otimismo.


Faça de hoje um dia extraordinário de trabalho frutífero.
Que Deus abençoe a obra das suas mãos.
E não se esqueça:


"A fome do trabalhador o faz trabalhar, 

porque a sua boca a isso o incita.

Navegando à Deriva

Conta-se a história de um menino que estava brincando
com seu barquinho no lago.


De repente, o barquinho se afastou dele.
Um homem que estava por perto, viu a cena e começou a atirar
pedras na água, adiante do barquinho.

O menino perguntou:

- O que você está fazendo?
De repente, algo muito interessante aconteceu.


Quando as pedras bateram na água, produziram ondas que
empurraram o barquinho de volta ao menino.
Embora as pedras tivessem agitado a água tranquila do lago, elas
alcançaram o efeito desejado.


É assim que Deus procede, às vezes.
Quando nos afastamos de sua presença, Ele atira pedras adiante
de nós para nos forçar a retornar à praia de seu amor.

Tony Evans

Menina dos olhos

Na primeira vez que visitei a Suíça, eu tinha apenas dezenove anos.
Fui para participar de um congresso mundial de jovens.
Naquela ocasião, conheci a cidade de Montreux, na Suíça Francesa.
Impressionou-me a sua paisagem deslumbrante e nada mais.


Outro dia, porém, li que hoje Montreux tornou-se uma cidade famosa por causa
da Clínica La Prairie, que afirma ter o poder de retardar o envelhecimento,
e que recebe milionários e gente famosa de todo o mundo.


A verdade é que o ser humano faria qualquer coisa para prolongar a vida.
Pagaria qualquer preço e percorreria qualquer distância.
Em provérbio 7:2 apresenta o segredo de uma vida longa e feliz do ponto de vista divino.
"Guarda os Meus mandamentos e vive", diz.


Ao mencionar os mandamentos e a lei, Salomão não está falando exclusivamente 

dos dez eternos princípios apresentados em Êxodo 20, mas do Torah que continha
todos os ensinamentos do Pentateuco, que envolviam leis de higiene, alimentação e
convivência comunitária.


Guardar, no sentido pleno da língua hebraica, significa entesourar.
Usando a mesma expressão, Davi diz: 

"Guardo no coração as Tuas palavras." Salmos 119:11.


Os princípios estabelecidos por Deus devem ser conservados no cofre do coração,
e dali inspirar todos os procedimentos da vida.
O ser humano que segue esses princípios tem paz, porque tem uma consciência tranquila,
e tem vida longa porque o respeito aos conselhos divinos lhe garante segurança.


Não vive apenas mais; porém, melhor. Vive com qualidade.


A Clinica La Praire, entre os vários tratamentos anti rugas, tem uma aplicação que consiste
na passagem de uma corrente elétrica, através de eletrodos de ouro, sobre a pele do rosto.
Um luxo desses só é permitido para pessoas com muito dinheiro.


Talvez você nunca passe nessa clínica, mas com certeza pode apoderar-se do provérbio 7:2
Pode abrir o coração e fazer dele um cofre para entesourar as recomendações de Deus e andar
nos Seus caminhos.


Os resultados são garantidos.
A Revista National Geographic, na sua edição de novembro de 2005, afirma que as pessoas
com esperança, e que seguem os princípios bíblicos, tem possibilidades de viver mais.

A menina do vestido azul

Num bairro pobre de uma cidade distante, morava uma garotinha muito bonita.

Acontece que essa menina frequentava as aulas da escolinha local
no mais lamentável estado: suas roupas eram tão velhas que seu professor
resolveu dar-lhe um vestido novo.

Assim raciocinou o humilde mestre:
"é uma pena que
uma aluna tão encantadora venha às aulas desarrumada desse jeito.

Talvez, com algum sacrifício, eu pudesse comprar para ela um vestido azul."

Quando a garota ganhou a roupa nova, sua mãe sentiu que era pena se, com
aquele traje tão bonito, a filha continuasse a ir ao colégio suja como sempre,
e começou a dar-lhe banho todos os dias, antes das aulas.

Ao fim de uma semana,
disse o pai:
" Mulher, você não acha uma vergonha que nossa
filha, sendo tão bonita e bem arrumada, more num lugar como este, caindo aos pedaços.

Que tal você ajeitar um pouco a casa, enquanto eu, nas horas vagas,
vou dando uma pintura nas paredes, consertando a cerca, plantando um jardim?"

E assim fez o pobre casal.
Até que sua casa ficou muito mais bonita que todas as casas
da rua e os vizinhos se envergonharam e se puseram também a reformar suas residências.

Desse modo, todo o bairro melhorava a olhos vistos, quando por isso passou um religioso que,
bem impressionado, disse:"é lamentável que gente tão esforçada não receba

nenhuma ajuda do governo".

E dali saiu para ir falar com o prefeito, que o autorizou a organizar uma comissão para
estudar que melhoramentos eram necessários ao bairro.

Dessa primeira comissão
surgiram muitas outras e hoje, por todo o país, elas ajudaram os bairros pobres a se reconstruirem.

E pensar que tudo começou com um vestido azul.

Não era intenção daquele obscuro professor consertar toda a rua,
nem criar um organismo que socorresse os bairros abandonados de todo o país.

Mas ele fez o que podia, ele deu a sua parte, ele fez o primeiro movimento,
do qual se desencadeou toda aquela transformação.

Historinha para criança?
Talvez....
Mas não será necessário acreditarmos,

de vez em quando ao menos, em historinhas para crianças,
para que possamos ser felizes e realizar algo de bom?



Não, que não aceitamos o mundo como está, fazemos a nossa parte ( pequena embora )
a fim de que o mundo seja melhor?


Não, que repudiamos as gerações anteriores, porque construíram a guerra,

estamos construindo a paz em volta

de nós, nos lugares em que vivemos e nem sempre convivemos?

Porque é difícil varrer toda a rua, mas é fácil varrer a nossa calçada.



Porque é difícil reconstruir um bairro, mas é possível dar um vestido azul.

A Mensagem no Quadro-negro Mágico

Todos os lugares da sala de espera do Departamento de Trânsito estavam ocupados
enquanto eu aguardava para renovar minha carteira de motorista.


Crianças de todas as idades andavam de um lado para o outro, explorando o local, da mesma
forma que meus filhos pequenos.
Na época, Lillian era bebê de colo (apesar de nunca parar no colo), e Matthew tinha quatro anos
e já estava começando a escrever algumas palavras.


Ele nunca saía de casa sem levar seu quadro negro mágico.
E aquela manhã não foi diferente.


Incentivei meu filho, um pouco tímido, a dirigir-se ao centro de uma sala onde havia várias crianças,
brincando com uma pilha de livros e alguns joguinhos.
Matthew foi até lá, arrastando seu quadro negro mágico.


Uma criança mais nova estava virando as páginas de um livro colorido, pelo qual Matthew
passou a se interessar.
Instantes depois, meu filho arrancou o livro da mão da criança e começou a folhear as páginas
coloridas do livro, deixando o garotinho sem ter com que brincar.


Até aquele momento, eu me limitei a observar o desdobramento do pequeno drama.
Mas agora era chegado o momento de entrar em cena.


- Matthew! - eu disse em voz baixa, porém fire. - O que você fez não foi bonito.
Peça desculpas ao garotinho e devolva o livro a ele imediatamente.


Com ar de desolação, Matthew esticou o braço para devolver o tão precioso livro
ao garotinho, que reagiu como qualquer outra criança daquela idade reagiria, dizendo
algo parecido com " Odeio você!" e se afastou correndo.


Agora Matthew estava realmente desolado; havia aborrecido sua mãe e deixara um menino 
zangado com ele.
Matthew sentou-se, por alguns instantes, olhando para um ponto fixo enquanto raciocinava rápido.


Em seguida, pegou o quadro negro, escreveu alguma coisa nele e, sem dizer nada, levantou-o para
que a outra criança o visse.
O garotinho não lhe deu atenção, é claro, porque não sabia ler.


Mas eu sabia. "Sinto muito", ele havia escrito. Tão simples! Tão profundo!
Matthew não conseguiu proferir as palavras, mas as escreveu.
Ao ver que o garotinho não reagiu conforme o esperado, Matthew levantou o quadro negro outra vez,
com uma expressão de súplica no rosto.
Mas nada adiantou.


As outras mães que estavam na sala começaram a observar o silencioso menino de quatro anos, cabelos
cor de trigo, segurando um quadro negro onde se lia:


"Sinto muito".
Não fui a única a piscar os olhos para conter as lágrimas.